Para quando esquecer…

Eu queria lhe dizer algumas palavras. Elas não são palavras de autoajuda. Pois eu sei que no fundo elas não ajudam muito.

Acredite no relato que lhe farei. Lembre-se daqueles dias em que você sente que a vida lhe escolheu para sofrer. Naqueles momentos em que você se sentiu completamente só. Onde suas esperanças se desfizeram, onde a fé lhe abandonou. Sabe? Estes momentos em que você se pergunta qual o propósito de tanta dor?

Eu poderia apostar que você certamente pensou em desistir. E teve a nítida sensação que tudo era apenas para lhe destruir. E provavelmente, se você tem fé em um Deus ou uma energia maior, teve certeza de que você foi completamente negligenciado. Mas acredite no que vou lhe dizer, você não precisa aceitar agora, este tempo chegará. Existirá um momento que você olhará para trás e saberá que este exato instante, foi o momento em que essa energia universal se focou em você. Te libertou. Lhe deu uma nova chance. Protegeu seu coração.

Mas como explicar então tanta dor? Eu tentarei explicar da forma que encontrei alguma lógica. Na fotografia, dizemos que escrevemos com luz. Nada pode ser registrado ou escrito na ausência da luz.

Apesar de servir de inspiração para o funcionamento de uma câmera, nosso olhar é muito mais sofisticado. Ele se adapta muito rapidamente as condições de luz. Você nem percebe, é mais orgânico que respirar. Sua pupila se dilata e se retrai para passar mais ou menos luz.

Sabe outros fenômenos que acontecem na variação de luz? Quanto mais luz, mais vivas são as cores, mais nítidos ficam os detalhes e principalmente, quando o diafragma se fecha para suportar o excesso de luz, maior fica a profundidade de campo. Eu explico, você consegue ver mais longe.

Nosso olhar se adapta muito rápido a falta de luz e é tão eficiente, que em pouco tempo, você já passa a ver vultos na escuridão. Vultos na escuridão. Vultos, não escuridão. E você já viu o que acontece quando a luz é tão abundante que seus olhos são incapazes de se adaptarem? Você perde a visão. Porque na iluminação, não enxergamos com os olhos.

Quando nossos sentidos físicos são ignorados, quando uma pessoa perde um de seus sentidos, ela não deixa de ser humana. E é nessa ausência ou desimportância dos sentidos que você passa a estar conectado com sua essência, sua alma. E o que é nossa alma se não esta energia que nos tira da individualidade e nos transforma em uma única coisa. Um universo de energia. Chame de como quiser, não importa o nome, isso não anula sua existência.

Acredite em mim, em em futuro breve, tudo que parecia ser escuridão, era a sombra da mão de Deus lhe protegendo, para em segurança, lhe expor novamente ao sol…

Não tenha medo, tudo passará. Tudo um dia será apenas entendimento e aceitação.

Share: